Má Língua Ofegante

O “Má Língua Ofegante” é um jornal independente e isento. Comprometemo-nos a informar de forma independente e rigorosa. Recusamos qualquer espécie de sensacionalismo: o rigor é a nossa norma. Respeitaremos, em qualquer circunstância, o direito do contraditório. Este jornal não estará ao lado de interesses económicos políticos ou religiosos. Se os nossos conteúdos noticiosos se revelarem surpreendentes é porque o leitor anda distraído. Connosco será o primeiro a saber!

6.1.06

Diário Digital e Lusa dizem que bebé de Viseu “já sorri”

O Bebé “já sorri”, dizem o Diário Digital e a Lusa. Estes dois grandes órgãos de comunicação social noticiam hoje, que o bebé de Viseu “já sorri”. Algo inédito, na medida em que, é coisa mais que rara, um bebé já sorrir.

Ariel Sharon falou com o Público

Segundo notícia de hoje do conceituado jornal Público on-line, Ariel Sharon “abandonou sala de operações”. O homem levantou-se e foi-se embora. Disse: “Ah, estou farto disto, vou abandonar isto”. E assim foi. Abandonou. Foi-se embora. Saiu. Foi.

2.12.05

Retail Park vai nascer em Faro

A superfície comercial Retail Park vai nascer na capital algarvia muito em breve, de acordo com fonte da Má Língua Ofegante. O homem forte deste tipo de grandes superfícies, Alexandre Alves, já tem tudo acertado com o Presidente da Assembleia Municipal farense.
Depois de adquirir 95% do capital do jornal Barlavento, Alexandre Alves, tem como próximo objectivo comercial implantar o Retail Park em Faro. A operação comercial estava dada como morta durante o mandato de José Vitorino, ex edil farense, mas reavivou-se com a vitória de Luís Coelho na luta pela presidência da Assembleia Municipal da capital algarvia.
Ainda não é do conhecimento público o local onde a obra será erguida, mas de acordo com fonte da Má Língua Ofegante, tudo indica que será em terreno da autarquia, cedido a custo zero, uma vez que o Retail Park irá funcionar como serviço público. Poderá eventualmente haver contrapartidas financeiras pessoais para os trabalhadores da secção de salubridade da autarquia, mas “é uma questão a discutir”, segundo adianta a mesma fonte.
Recorde-se que Alexandre Alves esteve presente na tomada de posse do homem sombra de Luís Coelho, o presidente da autarquia de Faro, José Apolinário, ou Zézinho do Bigode, como é conhecido no seio socialista farense.
A fonte da Má Língua Ofegante garante que o negócio “é facto consumado”, e que as datas “serão anunciadas em breve”.

23.11.05

José Vitorino assegura TGV entre Faro e Huelva

Bilhete anual paga salário dos maquinistas e despesas de manutenção

O ex-presidente da Câmara Municipal de Faro já assegurou que, através da compra de um bilhete anual, compromete-se a utilizar a futura linha de TGV entre Faro e Huelva todos os dias. "O projecto não pode cair", confessou.
Recorde-se, na proposta avançada pelo governo português, na recente cimeira com Espanha, só a linha ferroviária de alta velocidade entre Lisboa e Porto está programada. Mas José Vitorino não quer que uma das suas ideias de há muito tempo caia em saco roto - só porque falta dinheiro para suportar o investimento, existindo ainda dúvidas sobre a utilização do meio de transporte no futuro.
"Comprometo-me a pagar o bilhete anual, desde que haja um desconto de 10% para um cliente assíduo. Posso vir a ser o único utilizador da linha entre Faro e Huelva mas quero que o TGV viaje entre o Algarve e a Andaluzia", referiu à Má Língua Ofegante.
Mas o também ex-presidente da CEAL, governador civil de Faro e secretário de Estado das Comunidades não seria a única pessoa a viajar, isso é certo. É que o estudo que o governo mandou efectuar garante um só "companheiro de viagem" para Vitorino: o maquinista.
"Não faz mal. O TGV não é para se ficar sentado. Tenho ideias para rentabilizar aquilo. Posso organizar as reuniões de vereação; conferências de imprensa, enfim, tanta coisa. A linha ferroviária de alta velocidade não vai ser um 'elefante branco'", garante o actual vereador da Câmara Municipal de Faro.
O bilhete de uma viagem custaria, em princípio, 77 euros. José Vitorino multiplicou por 365, fez-lhe um desconto, e chegou ao preço do ingresso anual: "Fica-me por 25.295 euros. São uns trocos. Mas deve dar para pagar o salário do maquinistas e as despesas de manutenção."
Mas o governo já reagiu e não aceita. "Não somos enganados assim de forma tão fácil. Ou o dr. Vitorino arranja os 2,61 mil milhões de euros para pagar a obra ou não há TGV para ninguém!", disse Mário Lino, ministro das Obras Públicas.
Para angariar essa verba, José Vitorino já pensou numa ideia: realizar um combate de boxe por dia com Luís Coelho, o agora presidente da Assembleia Municipal de Faro. "Vou pedir ao João Pina o orçamento. Mas havemos de lucrar - o Don King já me disse que estes duelos valiam ouro!", concluiu.

22.11.05

Autarcas algarvios despem-se para calendário

Orçamento para 2006 reduzido obriga a medidas excepcionais para angariar verbas

Doze dos dezasseis autarcas algarvios despiram-se de preconceitos, colocaram a roupa de lado e vão agora posar nus para a “Calendário Solidário de 2006”, uma publicação que tem como objectivo compensar os anunciados cortes no Orçamento de Estado para o Poder Local.
A concepção artística fica a cargo do famoso fotógrafo que recentemente se instalou no Algarve, Viv Thomas. “Nus é comigo. Este é um projecto aliciante e ao mesmo tempo um sinal de confiança artística que me é atribuído. Respondi prontamente ‘yes’ ao engenheiro Macário quando me endereçou o desafio”, disse o britânico à Ma Língua Ofegante.
Luís Gomes, por ser o mais novo, abre 2006 como “mister Janeiro”, tendo como cenário de fundo o Guadiana e a fronteira Portugal/Espanha. José Apolinário alinha como “mister Fevereiro”, sendo fotografado na magnífica paisagem selvagem da Ilha Deserta ao lado de um flamingo e apenas com uma flor branca atrás da orelha.
Março é o mês de Isabel Soares. A única “miss” do calendário vai arregalar os olhos dos portugueses e turistas, posando na Fábrica do Inglês.
Carlos Tuta como veio ao mundo com apenas um capacete de bombeiro é o trunfo do “Calendário Solidário” para Abril. Em “Ma-Ma-Maio”, o autarca do mês é Francisco Amaral que, sensualmente, se apresentará deitado numa toalha com as insígnias da UE. O “mister Junho” é o líder da AMAL, Macário Correia, fotografado em cima de uma bicicleta de montanha numa paisagem serrana.
Seruca Emídio ilustra a publicação no mês de Julho. O médico vai aparecer nu, sem óculos e apenas com um estetoscópio. Júlio Barroso ao leme da Caravela Boa Esperança atracada na Marina de Lagos exibe o que de melhor há para ver no concelho durante o mês de Agosto.
Setembro conta com a imagem do bem disposto Francisco Leal na Lota de Olhão apenas com umas botas de pescador e, como é óbvio, com um polvo nas mãos. Para José Inácio (Lagoa), em Outubro, foi criado um cenário especial onde o político aparece sob uma forte chuvada, envergando uma gabardina transparente. No já clássico gesto de abrir a peça de roupa o autarca exibe exuberantemente as suas partes pudibundas.
O “mister Novembro”, Manuel da Luz, vai marcar o calendário pelo look arrojado. Sem bigode e com lentes de contacto azuis o autarca mostra-se despido de preconceitos a velejar nu na Ria de Alvor.
António Eusébio encerra o “Calendário Solidário 2006”. O jovem político de São Brás de Alportel assinala Dezembro envergando um gorro de Natal, sentado num canudo de cortiça.
“O Governo despiu-nos de verbas e nós despimo-nos por uma boa causa”, afirmou a Má Língua Ofegante o líder dos autarcas algarvios, Macário Correia.
Manuel Marreiros, José Estevens, Desidério Silva e Gilberto Viegas não passaram nos castings efectuados durante dois dias na mansão de Viv Thomas em Vale do Lobo.

Manuel de Oliveira filma “Saliva”

Nova novela da TVI estreia em 2010

A nova novela da TVI, “Saliva” (o nome da música dos GNR), vai ser filmada por Manuel de Oliveira. O realizador anunciou a notícia no passado sábado, quando se deslocou a Espanha para receber um prémio.
“Saliva” vai ser a nova aposta de José Eduardo Moniz para o “prime-time” e deveria suceder a “Dei-te Quase Tudo”, no calendário do director-geral da TVI (cuja nova política passa por dar nomes de músicas a telenovelas). No entanto, segundo apurou “Má Língua Ofegante”, a novela só deverá ir para o ar em 2010, dado o ritmo de trabalho e filmagem de “mestre” Oliveira.
“Quero fazer algo que fique na memória de todos. Uma novela que perdure entre as melhores coisas que fiz, logo a seguir a ‘Aniki-Bobó’”, confessou o cineasta. Luís Miguel Cintra e Beatriz Batarda deverão ser o par amoroso – ele empresário, ela dona de uma agência de viagens –, assim como já estará confirmada a participação especial de Pedro Abrunhosa e 37 actores franceses. “Vai ser a minha obra-prima”, referiu, com entusiasmo.
Manuel de Oliveira, depois desta incursão por uma área completamente nova, voltará depois ao cinema, para filmar “Código: Perigo”, um projecto de Ridley Scott, cujo início de filmagens está previsto para 2011 – devendo estar nas salas em 2018. Bruce Willis, Keanu Reeves, Sandra Bullock e o neto do realizador, Ricardo Trêpa, são as estrelas garantidas.

16.11.05

Miguel Sousa Tavares caça autarcas algarvios

Espólio da jornada considerado “excelente”

O jornalista, escritor e “opinion-maker” do Público, A Bola e TVI, Miguel Sousa Tavares (MST), liderou, este fim-de-semana, uma caçada aos 16 autarcas algarvios. O espólio da jornada, considerada “excelente”, acabou por ser levado para o seu monte alentejano, em Pavia, onde terminou o dia com um belo repasto.
“Tenho de descansar e preparar o meu próximo ‘best-seller’ – nada como uma bela caçada para o fazer”, dizia pelas 6 da manhã de domingo, antes do início da caçada, MST a “Má Língua Ofegante”, o único órgão de comunicação social que acompanhou todos os passos do caçador e dos caçados.
A ideia partiu da Almargem, que pretendia “apagar do mapa” os políticos algarvios. Os ambientalistas decidiram então organizar uma caçada, na zona de caça turística Vale de Évora (perto de Mértola), e convidaram Miguel Sousa Tavares para os “despachar”. “Tinha de aceitar. Era uma oportunidade única para atirar sem misericórdia a esses políticos que destruíram o Algarve belo e natural!”, sublinhava o cronista.
Os 16 autarcas algarvios decidiram aceitar o convite da Almargem, que os fez pensar que seria anunciada a desistência das opiniões dos ambientalistas em relação às mudanças nos vários planos de ordenamento de território previstos para os próximos tempos. “Vim porque acho que agora vamos poder avançar de vez com hotéis, muitos hotéis e empreendimentos turísticos”, gritava, com a garrafa de champanhe na mão, Manuel Marreiros, de Aljezur.
Mas, afinal, os seus planos saíram gorados. Era de uma caçada que se tratava. O formato da jornada foi simples: os autarcas saíram a correr e, 30 minutos depois, saiu no encalço MST, no seu Cherokee e acompanhado do colega de caça José Manuel Barata-Feyo.
“Vou usar a minha carabina BSA ‘Hornet’, com calibre de 5,5 mm e velocidade inicial de 280 m/s. Tenho ali também uma espingarda Benelli Raffaello. Para o Tuta, por exemplo, vou ter de utilizar cartuchos de caça grossa, talvez Zagalote Rio Royal”, pormenorizava um extasiado MST, enquanto os políticos corriam como coelhos à procura de esconderijos.
Durante a caça, MST procurou especialmente os autarcas do Barlavento. “Libertem o Arade, libertem o Arade!”, gritava, enquanto atirava em Manuel da Luz e José Inácio Marques. Além destes dois autarcas, também sete outros não escaparam ao dedo certeiro do “opinion-maker”. “Querias um estádio, agora come lá disto”, dizia, com um tiro de belo efeito em Seruca Emídio.
Finalizada a jornada de caça, MST e Barata-Feyo seguiram com o espólio (um total de nove políticos caçados) para o monte de Pavia, propriedade do escritor, onde tudo findou com um repasto. “Mas as cabeças do Luz e do Inácio vou pô-las ali na parede. O Arade ainda há-de ser nosso outra vez”, concluiu, com o 17.º copo de “Famous Grouse” do dia.

Entrevista / Mário Soares / Candidato a Belém


“Tenho certeza absoluta que vou ganhar”

O “Má Língua Ofegante” inicia hoje um ciclo de pequenas entrevistas aos candidatos a Presidente da República Portuguesa, que, recorde-se, vão a escrutínio eleitoral em 22 de Janeiro de 2006. O nosso primeiro entrevistado é Mário Soares, que, recorde-se, já foi Presidente da República Portuguesa por dois mandatos, entre 86 e 96. Aos 80 anos de idade, o «pai» da Democracia Portuguesa, que, recorde-se, aconteceu em 25 de Abril de 74, diz que está “aí para as curvas” e que a idade não o trairá.

MLO – Porque é que acha que...
MS – (interrompendo) Ora porque é que acho... porque para se ser Presidente da República não chega perceber de economia. É preciso saber das coisas do mundo.

MLO – Mas a sua idade...
MS – (interrompendo) como?

MLO – Como o quê?
MS – O que foi que disse, que eu não percebi?

MLO – Estava a perguntar se a idade um tanto ou quanto avançada que tem, não o poderá, enfim, prejudicar, perante os portugueses?
MS – Sabe! Sobre essa questão já me tenho pronunciado variadíssimas vezes. Aliás, se não estou em erro, tal como disse a um colega seu, por acaso uma pessoa integra, que desempenha as suas funções como poucos, e com quem me encontrei há dias, se não me engano, na quarta ou na quinta feira, já não tenho a certeza... foi num dia... espere lá... já sei, na semana passada, assim é que foi. E... o que foi mesmo que me perguntou?

MLO – Se a sua idade...
MS – Pois. Isso é uma estupidez. Pior que essa estupidez só mesmo a conversa do outro que dizia que o problema da paz mundial se resolvia negociando com os terroristas. É perfeitamente comparável.

MLO – Âh... mas quem disse isso foi senhor.
MS – Hum?

MLO – Foi o senhor que disse isso.
MS - Claro claro (risos). Era para ver se estava atento.

MLO – Ah, sim. Então diga-me: acha portanto que vai ganhar?
MS – Tenho a certeza absoluta.

Problema orgânico arreda Helder Martins da WTM em Londres

O presidente da RTA foi expulso da Feira de Turismo «World Travel Market» que decorreu nos dias 14 e 15 de Novembro em Londres, apontado como responsável pela imediata fuga dos visitantes, mal entravam no recinto, devido ao mau hálito do algarvio.
Fonte da “Má Língua Ofegante” assegura que os promotores do evento foram cordiais no convite ao «chega para lá», não se escusando porém, a sublinhar que o presidente da RTA estava “literalmente a crucificar o certame”.
“Ao passar a linha delimitadora do hall de entrada no rés do chão, os visitantes não suportavam graveolência que por ali pairava, saindo imediatamente do edifício onde decorria o evento”, explicaram os promotores em nota de imprensa. Sublinhe-se que a feira acontecia sete andares acima.
A “Má Língua Ofegante” sabe que Helder Martins estava num dos seus piores dias ao nível da digestão, e terá esquecido o estojo de higiene oral na sua residência em Loulé.
O nosso jornal tentou contactar o responsável máximo da RTA, mas a chamada foi inútil na medida em que o celular estava desligado. Não obstante o assessor de Helder Martins informou-nos que o presidente da RTA não podia atender porque se encontravam “a sobrevoar território espanhol”, sendo que o piloto do avião terá aceite fazer a viagem sob a condição de fita-adesivar a boca a Helder Martins.
Voltaremos a este assunto assim que se justificar.

Apolinário trabalha em vão-de-escada

Vitorino usurpou o poder ao presidente eleito

O recém-eleito presidente da Câmara de Faro não tem acesso ao seu gabinete de trabalho. O ex-autarca, derrotado nas eleições do passado dia 9 de Outubro, José Vitorino, continua a considerar-se e a agir como presidente. Madrugador, o vereador chega primeiro aos Paços do Concelho e fecha-se à chave no gabinete da presidência. É o caos: Vitorino dá ordens pelo telefone e os funcionários já não sabem quem dirige os destinos do município.
Entretanto, Apolinário só encontrou vago um pequeno espaço, junto às escadas de acesso ao Salão Nobre, local, aliás, ocupado pela mascote da Câmara – uma gata, Menina de seu nome.
O autarca, revelam fontes da Câmara de Faro, além de "deprimido", está com uma crise de identidade: "ultimamente faz gestos felinos e mia", contam. A médica e vereadora (PS) Beatriz Cabrita receitou Xanax ao presidente e recomendou-lhe sessões de psicanálise.
Até à data, Apolinário levou a Reunião de Câmara uma única proposta: uma alteração ao orçamento para 2006 na rubrica "Despesas Extraordinárias", alínea f) "Ração para gatos". O presidente propôs um aumento de 75% no aprovisionamento e a aquisição de um produto diferente. Actualmente a Câmara compra Whiskas, Apolinário queria Gourmet. A proposta foi chumbada com os votos minoritários do PSD: Vitorino realizou a votação à porta fechada impedindo a entrada dos vereadores da maioria.
Augusto Miranda, vice-presidente da Câmara de Faro, contam várias testemunhas ao "Má Língua Ofegante", feriu-se, com gravidade, nos punhos, de tanto esmurrar a porta de acesso ao gabinete. "Deixem-nos entrar, isto é um ultraje, uma vergonha, uma ilegalidade", gritava. Do outro lado, Vitorino respondia com voz de falsete: "o presidente sou eu, nanha, nanha". Dizia isto em várias línguas – menos os universais nanhas, nanhas.
Impedidos de trabalhar, os vereadores socialistas concentram-se na gata: Beatriz Cabrita vacinou o bicho e impôs-lhe uma rigorosa dieta; Augusto Miranda está a tentar ensinar sintaxe à Menina; enquanto João Marques se limita a brincar com o pequeno felino. Apolinário anda confuso e pensa ser ele a própria gata.
Contudo, de acordo com fontes do nosso jornal, Vitorino não estará a agir só: "há grupos de Leste, fortemente organizados e com ligações a Loulé, metidos nisto" garantem.
Segundo as mesmas fontes, o facto de Vitorino dizer o "presidente sou eu" em línguas como o romeno, russo e croata, "é uma prova inequívoca da participação da máfia de Leste neste esquema", concluem.

Greve na “Má Língua Ofegante”

A redacção do “Má Língua Ofegante” cumpriu nos últimos dias uma greve, com o objectivo de fazer ver ao conselho de administração deste órgão que os direitos inalienáveis dos trabalhadores são mesmo inalienáveis. A paralisação contou com a adesão de todos os elementos.
“Já que, após uma semana de trabalho em que comprovadamente demos tudo pela empresa, as propostas de subida de 200% dos ordenados, o pagamento de horas extraextraordinárias e a presença de três búlgaras para servir cafés, foram rejeitadas, decidimos partir de imediato para a greve”, disse Carlos Grosso, líder do Conselho de Redacção.
Alfredo Maia, presidente do Sindicato de Jornalistas, juntou-se aos seus camaradas e num comunicado expressou a sua indignação: “Aqui, estão pessoas que dão tudo por esta casa. Como é óbvio, após uma semana de trabalho, esperavam ver o seu trabalho mais considerado.”
Após a reunião entre Maia e os jornalistas, todos foram jantar fora e, num ambiente de grande confraternização, acabaram o repasto a recitar poemas de Ary dos Santos e a cantar músicas de Manuel Freire e Adriano Correia de Oliveira.Solucionado o problema entre jornalistas e conselho de administração, a redacção passará a desempenhar as suas normais funções.

11.11.05

Jerónimo de Sousa de quarentena

Confirmada Gripe das Aves

O candidato à Presidência da República, pelo Partido Comunista Português, Jerónimo de Sousa vai mesmo abandonar a corrida às presidenciais. A noticia foi tornada pública há pouco, pelo seu assessor de imprensa depois de conhecidos os resultados das análises feitas ao candidato, por suspeita de Gripe das Aves.
Jerónimo de Sousa, que já se encontrava em quarentena há alguns dias, à espera da confirmação, contraiu a gripe provocada pelo virus Influenzae A(H5N1) aquando da pré-campanha pelas feiras e romarias do centro do País. Na altura, depois de passar dois dias a tossir convulsamente, disse aos jornalistas "vou dar o exemplo e refugiar-me em casa até saber do mal que padeço".
Agora, depois dos resultados, todos os que acompanhavam o candidato do PCP já estão também em quarentena e vão ser, recentemente, examinados e analisados.
Os dois candidatos de maior peso político já se pronunciaram nesta questão. Mário Soares foi claro nos seus comentários: "Acho bem que eles vão saindo um a um. Se não tiver concorrência vou ganhar! Agora falta aquele que nunca comenta nada sobre os adversários". Já Cavaco Silva preferiu continuar a fazer uma "campanha diferente da dos outros", referindo aquilo que já nos tinha dito sobre outros assuntos: "Não faço comentários sobre os outro candidatos. A minha campanha é diferente."
Jerónimo de Sousa é que vai continuar isolado, sem sair de sua casa, porém o "Má Língua Ofegante" sabe, por fonte fidedigna, que o candidato já recebeu várias visitas femininas, de várias nacionalidades, nos seus aposentos, saindo sempre após longas horas (ou não).

Carlos Grosso, "Má Língua Ofegante", na Soeiro Pereira Gomes

Free Counters
Free Counters